Cristóvão Colombo

Documentos de Génova

 

O presente sítio tem por objectivo apresentar, de forma organizada, alguns documentos relativos à naturalidade, identificação e percurso social de Cristóvão Colombo, descobridor da América ao serviço dos Reis Católicos em 1492. Por documentos, entende-se transcrições integrais de documentos da época de Cristóvão Colombo, transcrições parciais de outros documentos, notícias, ensaios, etc. A criação deste sítio enquadra-se num ressurgimento do interesse no tema ocasionado pela recente comemoração do 5º centenário da morte do descobridor (1506-2006).

A informação aqui depositada está agrupada da seguinte forma:

  1. Visão geral

  2. Bibliografia

  3. Colombo e família nos documentos notariais de Génova

  1. Genoveses em Portugal

  2. Referências à naturalidade e identificação de Colombo

  3. Testamentos de Colombo

  4. Historie di Christoforo Colombo

  5. Percurso social de Colombo

  6. Línguas utilizadas por Colombo

  7. Estudos forenses e de ADN

  8. Os conhecimentos de Colombo

 

Taviani, sobre os documentos notarias de Génova

 

Colombo e família nos notários de Génova e Savona 24-11-2006, 12:18

Autor: coelho      [responder para o fórum]

--------------------------------------------------------------------------------

Caros confrades,

 

coloco aqui um sumário da autoria de P.E.Taviani (1991) sobre a documentação notarial de Génova e Savona com interesse para o estudo das origens de Colombo.

 

Cumprimentos,

Coelho

 

==================================================

 

Even more important and definitive are the public and notarial acts--original copies of which are conserved in the archives of Genoa and Savona--regarding Columbus's father, Columbus himself, his grandfather, and his relatives. There are many such documents--more than a hundred--but it will suffice to mention only the most important ones.

 

An act dated 21 February 1429 talks about a Giovanni Colombo, originally from Moconesi, a village in upper Fontanabuona, who lives in Quinto. It is a contract in which Giovanni Colombo apprentices his son Domenico, who was about eleven years old at the time, to Guglielmo di Brabante, a cloth weaver, for six years. The act was drawn up in Santo Stefano in Genoa by the notary Quirico di Albenga.

 

From an act dated 6 September 1440, we can see that Giovanni is still living; from one dated 21 January 1444, we can that he is already dead.

 

We know much more about the life of his father, Domenico. We have seen how at the age of eleven, he entered as a "famulus et discipulus" into a shop of a certain Guglielmo de Brabante, a German "textori pannorum lane," in Genoa. Ten years later, in 1439, he was already a master craftsman. From 1439 to 1447, Domenico practiced his trade in Genoa and took part in the disputes between the factions. The feud between the Adorno and Fregoso parties was sharp in those years. A contemporary historian, the famous Giustiniani, writes that in 1447,

 

On the fourth of January Barnaba Adorno was elected Doge, and it was all a plot by the Adorno faction. But the Barnaba Signory was very short-lived, because on January 30 Giano da Campo Fregoso, who had already given great annoyance to the Adorno faction for four years in a row, tried his chances. Doge Barnaba Adorno had a great number of soldiers, including six-hundred special fighters, who had been sent to him by King Alphonse of Aragon. Giano came by night with a single galley, entered the city and assaulted the ducal palace with eighty-five strong companions. There was a hearty resistance to him, a cruel battle, such that all of Giano's men were wounded, and nonetheless the ability and constance of Giano was such that he emerged the victor and conquered the Doge's position. (editor's translation)

 

It is improbable that Domenico Colombo, the woolen-weaver, was one of the eighty-five strong companions. However, he was one of the many who from within the city walls took the part of the Fregosos. And he must have been rather influential, even if he was just a party member; he must have been, as we would say in modern terms, an activist. He was certainly loyal, steadfast, and of proven faith, because on 4 February, five days later, the new doge named him ad custodiam turris et porte Olivelle dilectum suum Dominicum de Colombo.

 

According to custom, the job of warden of the gate lasted thirteen months. On 5 November 1448 the Olivella tower was no longer entrusted to Domenico Colombo. Before that, on 20 April of the same year, he and his brother Antonio were cited in a document as habitatores ville Quinti potestacie Bisannis. In the meantime, in December, Gianio died. Historians testify that he was a good government, while the same cannot be said about his successor, Gianio's brother Ludovico, who was deposed by the senate in the summer of 1450 and replaced by his nephew Pietro Fregoso.

 

Pietro Fregoso had been named general captain of the city on 3 February 1447, the day before Domenico Colombo's appointment. In all probability the latter appointment had been suggested to Doge Giano by Pietro. Now that Pietro was doge, he once again entrusted custody of the Olivello gate to Domenico on 1 October 1450. It would seem that Domenico now lived comfortably, since he was investing money--librarum quinquaginta Janue--in the purchase of land in Quarto, which he leased back to the seller the same day.

 

We have reached 1451, Columbus's probable year of birth. Domenico was evidently already married. The first certificate in which the name of his wife, Susanna Fontanarossa, appears is dated 15 May 1471. From 1452 to 1455, Domenico Colombo had always resided in Genoa, and with all probability, in his house on Vico Olivella, which he still had neither sold nor leased. He might have spent some time in Quinto, where his brother Antonio is supposed to have resided; Antonio, older than Domenico and also born Moconesi, was less entrepreneurial.

 

In 1455 Domenico went to live in a house in Vico Diritto. The same building contained both his dwelling and his shop textor pannorum lane. Eleven years later, on 17 January 1466, a bill of sale, to which Domenico was witness, was drawn up: Janue extra portam S. Andree, in apotheca dicti Dominici de Columbo.

 

In February 1470 he was no longer in Genoa. For the first time we find him in Savona, where he practiced the trades of weaver and tavern-keeper. Six months later he was back in Genoa with his son Christopher to appear in court, as attested to by a document; this is the oldest document (22 September 1470) naming the navigator. On that same day, Domenico was arrested, only to be released a hours later by a criminal judge who declared that he did not find him culpabilem. The reasons for the arrest and for the trip to Genoa were the same: a legal question of a debt that Domenico and his son Christopher owed to certain Girolamo del Porto. With a document dated 28 September 1470, the judge imposed a fine of 35 lira on Domenico. In order to raise that sum, he sold to a Caprile family some lands "in Ginesttreto, potestacie Bisannis." These were the dowry of his wife, Susanna Fontanarossa, and at the point of sale her brother, Guagnino, claimed his right of preemption over the same lands. But Susanna ratified her husbands sale: Domenico was now habitator Saone.

 

In a document of the Savona wooliers guild dated 12 March 1473, we find the name Domenico Colombo once more. On 24 September of the same year, he sold his house on via dell'Olivella in Genoa. At the beginning of 1477, when he had already bought land with a house in Legino, near Savona, he also sold his house in Vico Diritti, in the Sant'Andrea district.

 

On 17 August 1481 he leased his house in Legino in order to return to Genoa. In a document dated 27 January 1483, he is cited as an olim textor pannorum. He was sixty-five. His wife was probably dead. Of his sons, none had remained by his side. Giovanni Pellegrino, his second son, must have died young. Christopher and Bartolomeo were in Lisbon. Giacomo was also far from home. His daughter Bianchinetta was about to get married to a certain Giacomo Bavarello, son of a cheese-maker, who would take his father-in-law's place at the house in Vico Diritto, outside of Porta Sant-Andrea. On 17 November 1491, Domenico was in Savona, where he received a sum of money from a debtor. In 1494, on 30 September, he acted as a witness for a notarized document drawn in Genoa. At the beginning of the new century he was already dead, it having been written in a notarized document that his sons were "quondam Dominci."

 

A long life, that of Christopher Columbus's father. A good seventy-seven notarial acts name Domenico Colombo. His brother, who lived in Quinto, appears in only nine. This difference highlights just how eventful the life of Christopher's father was. He was the warden of a city gate, a weaver and tavern- keeper, and an active participant in politics; A territory that has always been dangerous, and was particularly so in fifteenth- century Genoa.

 

Therefore, Christopher Columbus was definitely from a Ligurian family. His great-grandfather lived in Moconesi. His grandfather, Giovanni, was definitely born in Moconesi. His father, Domenico, was born in Quinto. He lived for a long period in Genoa, and then Savona. Today, Quinto is part of Genoa's urban complex, but then it was a village a short way from the city. Christopher Columbus spent his childhood and the first years of his youth in Vico Diritti, under the gate of Sant'Andrea. These are historically certain facts.

 

When amd more precisely where, was Columbus born? Based on the documents which are certainly authentic, the date of his birth is usually set between 25 August and 31 October 1451. In a document dated 31 October 1470, Columbus declares himself maior annis decemnovem; in the other, dated 25 August 1479, which will be discussed in detail below, he declares himself annorum vigintiseptum vel circa. Between 25 August and 31 October 1451, Domenico Colombo, Christopher's father, was the keeper of the Olivella gate, and thus lived next to the gate itself. This, therefore, is where Christopher would have been born.

 

The reasoning is flawless. However, how can we be sure that Columbus's declarations were exact? Any one of us might make a mistake when asked our age. And how do you count the years? If he was born in 1451, Columbus could have said that he was twenty-eight in August 1479, because he was in the twenty-eight year of his life. He could just as correctly have said twenty-seven, because he still had not celebrated his twenty-eighth birthday. Then, add the vel circa in the second document: i.e. 25 August 1479 he was about twenty-seven years old. All this would induce one to think that Columbus was born around 1451, but it is risky to fix the date exactly within the space of two months.

 

Around 1451: thus, a date included in the three-year period 1450-1452. In these three years Domenico was either in the center of Genoa, the warden of the Olivella gate in the Portoria neighborhood, or in Quinto. Domenico Colombo moved to Savona twenty years later, in 1470. Thus there are only two alternatives for his son's birthplace: Genoa (Porta dell'Olivella) or Quinto. Without a doubt, we can exclude other claims for his birthplace being in the Genoa area, but far from the city itself: claims from places such as Cogoleto, Bettola, Savona, and Calvi di Corcica.

 

Although many historians tend toward the Olivella gate, one cannot exclude Quinto, where Columbus's father, Domenico, had his home and where his mother, Susanna Fontanarossa, could have given birth amidst fresh and tranquil surroundings, with the assistance of the women from her husband's family. Until the beginning of the present century, it was customary among families who had immigrated to Genoa from the countryside for pregnant women to return to their relatives in the country to give birth.

 

The Quinto hypothesis could also solve the mystery of the epithet "da Terrarubia" which the admiral and his brother Bartolomea gave themselves at times. Quinto is, in effect, a place that was called Terrarosa until the beginning of the century. Moreover, a Terrarossa still exists today in the township of Moconesi, a birthplace of the grandfather, Giovanni.

 

Another doubt remains to be settled: can we be sure that all of the documents cited concern the Christopher Columbus who was later to become Cristobal Colon, admiral of the Ocean Sea in Spanish territory? The list of contemporary historians and ambassadors unanimous in the belief that Columbus was Genoese could suffice as proof, but there is something more. The documents reveal this other information. One of them has already been cited: the document dated September in which the criminal judge convicts Domenico Columbus. The conviction is tied to the debt of Domenico--together with his son Christopher (explicitly stated in the document)--toward a certain Girolamo del Porto.

 

In the will dictated by Admiral Cristobal Colon in Valladolid before he died, the authentic and indisputable document of which we have today, the dying navigator remembers this old debt, which had evidently not been paid. Still more important is the act drawn in Genoa on 25 August 1479 by a notary, Girolamo Ventimiglia (series 2a, 1474-1504, n. 266). This act is known as the assereto document, after the scholar who found it in the State Archives in Genoa in 1904. Following is the part in which Columbus is cited:

 

Lodovico Centurione appearing by law and in the

presence of the venerable Office of Merchandise,

says and states that which he will or hopes or doubts

to have with Paola Di Negro, son of the late Luca, he

himself or his brother Cazona with the aforementioned

Paola, and since he has some witnesses who are

 informed of the rights of said Lodovico, who must

shortly leave this city of Genoa and depart on a

 long journey, thus requests that said witnesses, in

eternal memory of the fact and for as long as the

belief in truth does not perish, be received and examined.

 

First he intends to prove and to attest to the truth

of the fact that was and is that other times in the

past year, during the time in which the witnesses...will say,

Paola Di Negro, commissioned by him Lodovico and by

the aforementioned Cazano or one of them to the

 island of Madeira in order to purchase a certain

quantity of sugar, and Lodovico having sent 1,290

ducats therefore, that is to say 1,290 'grosatti' or

their value to said Paola , who was supposed to

purchase 2,400 and more rubbi of sugar, Christopher

Columbus, on the order of said Paola, was sent to

the island of Maderia and here he secured and

purchased the aforementioned amount of sugar.

 

Witnesses in favor of Lodovico Centurione.

 

In nomine Domini amen. May all who see the present

public testimonial document know that, having

appeared in the presence of myself, the notary, and

 the undersigned witness, summoned and requested

for the express purpose, Christopher Columbus, citizen

of Genoa, summoned here as a witness, must be

received and examined as such. When asked if he has

to depart soon, he answers: yes, tomorrow morning

for Lisbon.  When asked how old he is, he answered

that he was about twenty-seven years of age. (editors translation)

 

 

Sobre a falsidade do documento Assereto


Respostas ao blog da Pseudo-História 09-01-2007, 02:39
Autor: kolon [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Caros Confrades,

.............................

estou seguro que se um dia poder fazer uma boa investigação ao Documento Assereto vou provar que foi falsificado.

........................

 

F.A. Doria, sobre a falsidade do documento Assereto


F.A. Doria, sobre o documento Assereto 21-02-2007, 17:42
Autor: coelho [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------

Caros confrades,

como muitos aqui sabem, Francisco António Doria é um prestigiado genealogista brasileiro, que já foi participante frequente neste forum. É, além do mais, um conhecer da documentação italiana.

Fui respigar no antigo tópico "Colombo por Mascarenhas Barreto" duas mensagens de Dória relativas ao Documento Assereto.

Os melhores cumprimentos,
Coelho

=====================================================

RE: Colombo por Mascarenhas Barreto 31-05-2002, 12:05
Autor: doria_gen [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Jacinto,

Segundo o doc. de Assereto - talvez o tenha online, na parte decisiva, se tiver, posto - datado de 24.8.1479, Colombo foi à Madeira para comprar açúcar, enviado por um di Negro, com capitais de Luigi Centurione Scotto. Luigi Centurione era tio dos Lomellinis que passam à Madeira (era casado com Argenta Lomellini, se bem me lembro), e sogro de Francesco Doria, que vai financiar Colombo em 1502, segundo o próprio Colombo, em carta a um dos filhos. Francesco era o pai de Aleramo, beneficiário do padrão de juros de 1557 (tenho o facsímile; está nos ANTT), e Aleramo - referido como Laramo ou Loramo - é o ``Lourenço'' pai de Clemenza, a criada da rainha.

Colombo parece, desse modo, ter sido um agente comercial dos grandes bancos genoveses, no caso os Centurioni e Lomellini (não tinha banco Doria importante, que eu saiba).

Vou ver o casamento Doria Colombo e posto aqui.

Gdes abcs, fa



RE: Mais informação 28-05-2002, 01:15
Autor: doria_gen [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
................................................

Tenho em facsímile o Documento de Assereto, de 1479, na parte referente a Colombo. Trata-se de um depoimento notarizado, em 24.8.1479, em que um Cristoforo Colombo, de partida para Lisboa, explica a Lodisio Centurione Scotto por que não comprou o açúcar que este Lodisio lhe havia encomendado, da Madeira. Como se sabe que o Colombo navegador esteve na Madeira em 1480, onde (provavelmente) casou-se com Filipa Moniz, a filha de Bartolomeu Perestrelo, é um dos documentos que melhor atestam a identidade entre o genovês e o navegador.

(MB supõe ser um falso. Acho implausível, porque Lodisio ou Luigi Centurione Scotto - que MB diz ser personagem inexistente - foi um banqueiro genovês que recebeu de Sixto IV, junto com Eliano Spinola, aliás avô do homônimo que se fixa na Madeira, o direito de explorar as minas de alume de Tolfa.)

Lodisio Centurione tem seus herdeiros citados no testamento de Colombo, o navegador, num codicilo. E o banqueiro de Sevilha que financia a Colombo seu oitavo na expedição de Ovando em 1502 é Francesco Doria, genro do Centurione, casado com sua filha Gironima Centurione Scotto.

....................................

fa
 

 

Christoforo Colombo = Cristobal Colon?

 

RE: Colombo estaria em Portugal em 1478!? 30-12-2006, 23:46

Autor: coelho      [responder para o fórum]

--------------------------------------------------------------------------------

Meu caro Eduardo Albuquerque,

 

esse documento, conhecido como "documento Assereto", está transcrito (em versão inglesa) no texto de P.E. Taviani que oportunamente transcrevi no tópico que abri sob o título "Cristovão Colombo em Rui de Pina".

 

Está na seguinte mensagem:

http://genealogia.netopia.pt/forum/msg.php?id=135302

 

Para os que gostam de duvidar da autenticidade do documento Assereto, transcrevo em seguida a continuação do texto de Taviani, onde outras evidências importantes são recolhidas.

 

Um abraço,

Coelho

 

================================================

 

 

In light of the two acts cited, the tendency to compare, or worse, to confuse or replace the true "Genoese" Columbus family with other similarly named Ligurian, Lombard, Italian or foreign families collapses, as does the main argument of the dilettantes who oppose the Genoese documentation and try to maintain that there was indeed a Genoese Christopher Columbus, woolen-weaver, but who was not the discoverer of America. In addition to the two documents cited, there are others that confirm the identification of the Genoese Christopher Columbus, son of Domenico, with the admiral of Spain. An act dated 11 October 1496 says:

 

Giovanni Colombo of Quinto, Matteo Colombo and

Amighetto Colombo, brothers of the late Antonio, in

full understanding and knowledge that said Giovanni

must go to Spain to see M. Christopher Columbus,

Admiral of the King of Spain, and that any expenses

that said Giovanni must make in order to see said M.

Christopher must be paid by all three of the

aforementioned brothers, each one to pay a third...and

to this they hereby agree. (editor's translation)

 

In a fourth notarial act, drawn in Savona on 8 April 1500, Sebastiano Cuneo, heir by half to his father Corrado, requested that Christopher and Giacomo (called Diego), the sons and heirs of Domenico Colombo, be summoned to court and sentenced to pay the price for two lands located in Legine. This document confirms Christoforo and Diego's absence from the Republic of Genoa with these exact words: “dicti conventi sunt absentes ultra Pisas et Niciam” [the summoned parties are absent and beyond Pisa and Nice] (editor's translation).

A fifth notarial act, drawn in Savona on 26 January 1501, is more explicit. A group of Genoese citizens, under oath,

 

said and say, together and separately and in every more

valid manner and guise, that the Christopher,

Bartholomew and Giacomo Colombo, sons and heirs of the

aforementioned Domenico, their father, have for a long

time been absent from the city and the jurisdiction of

Savona, as well as Pisa and Nice in Provence, and that

they reside in the area of Spain, as was and is well

known. (editor's translation)

 

Finally, there is a very important sixth document from the notary of Bartholomeo Oddino, drawn in Savona on 30 March 1515. With this notarial act, Leon Pancaldo, the well-known Savonese who would become one of the pilots for Magellan's voyage, sends his own father-in-law in his place as procurator for Diego Colon, son of Admiral Cristobal Colon. The document demonstrates how the ties, in part economic, of the Discoverer's family with Savona survived even his death.

These documents irrefutably demolish the dilettantish claims that would make Cristobal Colon, the discoverer of America, a different person than Cristoforus Columbus, son of Domenico, despite reference to Columbus in more than seventy Genoese and Savonese documents. Regarding the first, second, and third documents, I would emphasize that the authentic originals are conserved and on public display in the Columbian Room of the Archivio di Stato of Genoa. The sixth document can be seen in the original authentic version in the State Archives in Savona.

 

("Christopher Columbus: Genius of the Sea" by Paolo Emilio Taviani in Italian Journal (1991, Vol. V, No. 5/6, pp. 5-37)

 

 

Documentos no Archivio di Stato di Genova



Colombo no Archivio di Stato di Genova 06-01-2007, 11:47
Autor: Eduardo Albuquerque [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Caros Confrades, Maria Benedita, Artur João e Coelho,

Agradecendo todos os contributos que os meus prezados confrades, generosa e pacientemente, têm vindo a aduzir, vou pegar nas palavras do nosso muito estimado Confrade Miguel Côrte-Real, cuja ousadia perdoará, e, assim, a quem não esteja satisfeito e pretenda aprofundar os seus conhecimentos e fazer investigação sobre Cristóvão Colombo, que manifesta e peremptóriamente não é o meu caso, aqui fica esta modesta nota sobre o endereço do:

ARCHIVIO DI STATO DI GENOVA

Piazza S. Maria in Via Lata, 7
16128 Genova
Tel: 0105957581 - 0105957591
Fax:0105538220

asge@archivi.beniculturali.it

Onde se refere:

« Genova e Savona sono le uniche città d'Europa che conservino documenti su Cristoforo Colombo prima del suo arrivo nella penisola Iberica.

Tutte le tesi che negano le sue origini genovesi sono basate su ipotesi, congetture, interpretazioni più o meno fantasiose di testi. Nessuna ha trovato il sostegno di una traccia scritta.

Sono 188 i documenti liguri compresi nell'edizione della Nuova Raccolta Colombiana del 1992.

Diciotto di questi riguardano direttamente Cristoforo Colombo;

gli altri ci parlano di membri della sua famiglia, di suo padre in primo luogo, e di personaggi a vario titolo coinvolti nella sua vita.

Sono documenti autentici, di varia natura e provenienza (notarile, giudiziaria, di governo), ma strettamente correlati tra loro.

Nell'insieme costituiscono un corpus articolato e coerente che non solo dimostra in maniera indubitabile la genovesità di Colombo, ma offre un contributo fondamentale alla biografia del grande navigatore.

Da sempre questi documenti sono stati considerati un patrimonio collettivo da custodire gelosamente come testimonianza dell'identità storica della città.

Nel 1670, quando i discendenti di Nicolò Oderico donarono alla Repubblica i libri dei privilegi e le lettere di Colombo che fino ad allora avevano conservato nella propria casa, il Senato mostrò il suo compiacimento non solo perché considerava quei documenti una "degna memoria d'un nazionale così glorioso", ma perché giudicò quel gesto "un attestato dell'affetto e zelo" che la famiglia Oderico "professa al serviggio pubblico".

È per proseguire questo "pubblico servizio" che fin dal 1972 l'Archivio di Stato di Genova, per impulso di Paolo Emilio Taviani, ha voluto mettere questo patrimonio a disposizione di tutti dedicando una mostra permanente alla documentazione colombiana.

Quest'esposizione si è ora trasformata in uno spazio multimediale in cui il visitatore possa rivivere le emozioni della grande Scoperta e attraverso un percorso interattivo possa decifrare gli antichi documenti, comprenderne il significato e collocarli nel loro contesto.

L'installazione permanente, intitolata "Colombo/Colón: un uomo tra vecchio e nuovo mondo", entrerà a far parte dell'offerta culturale di Genova.

Si tratta di un percorso interattivo nel quale tecnologie moderne, suoni e immagini guideranno alla riscoperta di uno straordinario patrimonio di fonti scritte sulle origini, la famiglia e la vita di Colombo.

Ennio Poleggi ci ha aiutato, con la sua profonda conoscenza e l'impareggiabile esperienza di una vita, a ricostruire la Genova del Quattrocento. »


Um abraço amigo,

Eduardo Albuquerque
 

 

O que se entende por "documento autêntico"



RE: Colombo no Archivio di Stato di Genova 08-01-2007, 09:45
Autor: Decarvalho [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Caros confrades,
"Sono documenti autentici, di varia natura e provenienza (notarile, giudiziaria, di governo), ma strettamente correlati tra loro."

Que frase tão assassina... "são documentos autênticos..."
Têm que salientar que são autênticos porquê? Nunca houve nenhuns documentos falsos sobre Colombo, portanto não havia necessidade.
A. de Carvalho
 

 

 

RE: Colombo no Archivio di Stato di Genova 08-01-2007, 11:36
Autor: Mavasc [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Sr A. de Carvalho

Como bem sabe há diversos tipos de documentos: autênticos (369º a 372º do Código Civil) escritos e autenticados (363º a 368º do Código Civil) particulares (373º a 379º do Código Civil) reproduções (368º e 576º do mesmo Código).

Assim, havia necessidade. São documentos autênticos.

Cpts

Maria Benedita

 

 

 

 

RE: Colombo no Archivio di Stato di Genova 08-01-2007, 14:43
Autor: Decarvalho [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Srª Dª Maria Benedita,
perante a demonstração dos seus cohecimentos jurídicos terei de confessar a minha ignorância sobre os aspectos técnicos da classificação dos documentos.
Eu só admiti que pudesse haver autênticos e falsos, que é, no fundo, o que nos interessa.
Tenho, agora, curiosidade em saber quatro coisas:
a) os documentos do arquivo de Génova são todos abrangidos pelos artigos 369º a 372º do Código Civil?
b) Há artigos no Código Civil para classificar os vários tipos de documentos falsos apresentados para tentar consolidar a Tese genovista?
c) Como se classificam aqueles que apresentam documentos falsos?
d) Como se classificam aqueles que acreditam numa história sedimentada em muitos documentos falsos, mesmo após terem disso conhecimento?
Cumprimentos
A. de Carvalho

 

 

 

RE: Colombo no Archivio di Stato di Genova 08-01-2007, 15:38
Autor: Mavasc [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Caro Sr A. de Carvalho

Com efeito a classificação dos documentos não é a preto e branco, não se dividem em autênticos e falsos, nem no direito português nem em qualquer outro direito europeu.

Os documentos do Arquivo de Génova dados como autênticos têm efectivamente, correspondência aos documentos autênticos previstos na lei civil portuguesa, artigos 369º e sgs do C.C.

"Artigo 369º

1 O documento só é autêntico quando a autoridade ou oficial público que o exara, for competente, em razão da matéria e do lugar e não estiver legalmente impedido de o lavrar.
2 Considera-se, porém, exarado por autoridade ou oficial público competente o documento lavrado por quem exerça publicamente as respectivas funções, a não ser que os intervenientes ou beneficiários conhecessem, no momento da sua feitura, a falsa qualidade da autoridade ou oficial público, a sua incompetência ou a irregularidade da sua investidura."
Etc...

Trata-se, efectivamente, de documentos oficiais, certidões, documentos notariais, isto é, documentos autênticos, nos termos da legislação italiana sobre a matéria.

As restantes perguntas que faz envolvem, para além do Direito Civil, o Direito Penal.
Há, tanto no Código Civil como no Código Penal, previsão legal para a falsidade de documentos , respectivos autores e penas a aplicar. Se necessita de consulta jurídica sobre a matéria em questão encontro-me á sua disposição, podendo comunicar comigo telefónicamente ou por mail para marcação de um consulta.

Com os meus melhores cumprimentos

Maria Benedita

 

Sobre o grande número de documentos



RE: Colon NÂO, obviamente italiano! 16-02-2007, 23:01
Autor: feraguiar98 [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Caro Manuel,

......................................

De facto, quando referi que a família Colombo, de Génova, tinha 77 documentos oficiais e fui corrigido pelo confrade Coelho, que refere cerca de 100 notariais, deixando assim de fora os judiciais, sempre imaginei que se iriam levantar vozes de espanto e comentários variados mas o silêncio foi ensurdecedor.
Ora, quantos de nós têm um antepassado de séc. XV documentado por uma carta d'armas de um bisneto; um outro por duas referências numa chancelaria e quantos outros pelo nome sem qualquer data no Felgueiras Gayo?
Com entradas no conde D. Pedro, em Damião de Góis, mais um testamento e um filhamento, é uma festa! Com não mais de três ou quatro referências em chancelarias, escrevem-se dois ou três parágrafos e incha-se de satisfação.
Agora 100 escrituras numa família que nem da média burguesia é - lá chegaremos a seu tempo - estamos noutro mundo que não o da realidade. E contudo, toda a gente mais a comunidade científica, parecem achar natural!

.........................

Com os melhores cumprimentos,
Fernando Aguiar
 

 

RE: Crítica virulenta! ... e outras. 17-02-2007, 12:09
Autor: coelho [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Benedita,

............................

Mas passemos para o tema do tópico, que eu sou pouco dado a discussões rasteiras.

Diz o Sr. Aguiar: "Agora 100 escrituras numa família que nem da média burguesia é - lá chegaremos a seu tempo - estamos noutro mundo que não o da realidade."

E isto por comparação com a realidade portuguesa em que: "Com entradas no conde D. Pedro, em Damião de Góis, mais um testamento e um filhamento, é uma festa!"

Pergunto-me se o Sr. Aguiar alguma vez esteve em Itália. Pergunto-me se avaliou comparativamente o patrimónimo medieval existente em tantas e tantas cidades italianas com o património medieval existente em qualquer cidade portuguesa, incluindo Porto e Lisboa. Pergunto-me se alguma vez ele reflectiu sobre a diferença absissal que existia entre a Itália medieval (centro da Europa) e o Portugal medieval, país ultra-periférico da mesma Europa que lutava para levantar a cabeça.

Absolutamente nada me surpreende que uma família de artesãos dinâmica e empreendora tenha celebrado ~100 actos notariais.

Um abraço,
Coelho
 


RE: Crítica virulenta! ... e outras. 17-02-2007, 12:21
Autor: Decarvalho [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Caros confrades,
..."uma família de artesãos dinâmica e empreendedora"...???
Então os registos notariais não são quase todos referentes a dívidas e à venda de algum parco património recebido por dote, para pagar essas dívidas ???(Samuel E. Morison)
Que dinamismo é que o confrade Coelho vê nisto?
Cumprimentos
A. de Carvalho

[Topo]
RE: Crítica virulenta! ... e outras. 17-02-2007, 12:56
Autor: coelho [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------
Caro confrade,

quem quer investir, frequentemente contrai dívidas. Quem é competente, salda as dívidas. Se as dívidas são significativas, convem fazer escritura. Caso naõ saiba, os notarias portugueses de diferentes séculos estão também repletos das chamadas escrituras de juro.

Cumprimentos,
Coelho
 

 




RE: Colon NÂO, obviamente italiano! 18-02-2007, 07:05
Autor: mtt [responder para o fórum]
--------------------------------------------------------------------------------

Caro Fernando Aguiar
Compreendo a sua estranheza quanto à centena de documentos notariais onde os Colombos genoveses são citados. É bem possível que alguns deles tenham sido forjados com propósitos mistificadores, como tem sido afirmado ou sugerido, e até, nalguns casos, provado; no entanto, acredito que o resíduo que a eliminação dos duvidosos deixaria, constituiria ainda um significativo acervo.
 

Significativo, do ponto de vista da quantidade, mas significativo também por dar testemunho de uma realidade que afronta a nossa natural tendência para transportarmos conceitos que nos são familiares para sociedades que o não são.
 

Vou dar-lhe um exemplo de chocante desfasamento entre os conceitos correntes e a realidade de outros tempos, tempos que até, no quadro deste tópico, não são muito longínquos e que, geograficamente, mais próximos de nós (de mim) não podiam ser:
 

Nos primeiros tempos do regime liberal, o Legitimismo português contou apenas com um órgão de imprensa, “A Nação”, com sede em Lisboa. Em finais da década de 1840, os portuenses dessa persuasão fundaram um jornal, “A Pátria”, que não sobreviveu mais do que alguns meses, para depois reaparecer, não sem algumas vicissitudes, melhor estruturado e sob o título de “O Portugal”. O directório político do Legitimismo portuense incluía, como imagina, os nomes sonantes da aristocracia local, Pintos de Sousa Balsemão, Rangéis Pamplona, Cirnes, etc.
O fundador e primeiro editor desse jornal, que se manteve na cena política durante anos, chamava-se José Ferreira da Silva.
 

É factual, também, que na cidade residia um sapateiro desse nome.
Se formularmos a pergunta: quantos Josés Ferreiras da Silva existiam? esperamos a sensata e natural resposta de “dois pelo menos”, mas a resposta correcta é um.
 

O director do jornal era sapateiro.
 

Dir-me-á que o homem dispunha, talvez, de extraordinários dotes literários que a nobreza portuense decidiu aproveitar. Novamente a presunção não colhe. Os escassos textos que produziu, motivaram, na restante imprensa, todo o tipo de graçolas, incluindo, sem surpresa, as inevitáveis referências ao tira-pé e à sovela.
Usando o sapateiro no lugar do “lanério”, não é difícil reproduzir, sem distorcer os factos e acrescentando não mais que uma pitada de “mutatis mutandis”, o tom da argumentação que tantas vezes aqui lemos:
 

– Então um sapateiro, pouco mais que analfabeto, provadamente incapaz de redigir um artigo de oposição sem causar maior desgaste à Gramática do que ao Governo, é que seria o director do órgão nortenho do partido da aristocracia?
 

Paradoxalmente, a resposta é positiva.
 

Não conheço as especiais circunstâncias que poderiam explicar este pequeno mistério, mas penso que a designação “sapateiro” qualificaria um agente de uma actividade que não corresponde ao modestíssimo artesanato ainda sobrevivente, e não me parece impossível que se encontrem dezenas de actos notariais, assinados por este José Ferreira da Silva.

 

Na época construíam-se fortalezas, portos, pontes, canais, palácios, obras que movimentavam enormes capitais, mas não se encontram, nos almanaques, “industriais da construção civil”, nem “empreiteiros de Obras Públicas”, surgindo, por vezes, a designação de pedreiro, em textos que apontam para uma actividade equivalente à dos aparatosos ornamentos da nossa sociedade que entre-aspas refiro.

 

Nada sei sobre a antiga indústria genovesa dos lanifícios, a não ser que os nossos muito amados “jeans” de lá houveram nome, em mais recentes tempos, reproduzindo sob uma enganadora ortografia o nome inglês da cidade. Sei, contudo, que na Valónia, devido às especiais qualidades das águas, se lavou e cardou, durante séculos, parte substancial da lã que a Escócia e a Inglaterra produziam. A cardagem da lã de origem britânica era uma actividade industrial, estreitamente ligada à navegação e ao comércio internacional.

Se lermos num documento antigo que alguém era “cardeur de laine en Wallonie”, ficamos sem saber se o homem residia numa mansão ou num casebre, se educava os filhos numa universidade, na aula do abade ou na oficina, porque na designação se incluía o industrial e o operário.


É possível que o teor dos documentos genoveses, que conheço apenas muito superficialmente, aponte para uma modéstia que elimine a alternativa da mansão, mas há que considerar, tal como foi abundantemente considerado em letra redonda, que poderia existir um familiar sem descendência, um tio bem sucedido, um padre que subiu na hierarquia, que pudesse acudir à ninhada decadente.

Isto para lhe dizer que o uso do qualificativo “lanério” me não impressiona sobremaneira, razão por que a fervilhante produção de actos notariais, invulgar sem dúvida, me parece algo suspeita e a pedir escrutínio, mas não incompreensível.
 

 

..........................................................................

 

cumprimentos,
Manuel.
 

 


Ultima actualização: 18 de Janeiro de 2007